“Meus Nós”: Victor Mus costura novas sonoridades em EP plural e diverso

Se no EP “Chão de Terra”, Victor Mus valorizou suas raízes, “Meus Nós”, o mais novo EP do artista carioca, vem para atestar uma liberdade musical e lírica amadurecida. O lançamento do álbum é a etapa final da Mostra Novos Talentos da Música, promovida por FIRJAN/SESI em 2019, da qual Mus foi o vencedor na categoria Voto Popular. Após o single “Vapor”, o EP completo chega às principais plataformas de streaming e tem produção assinada por Rogério da Costa Jr. e Rodrigo Vidal (Caetano Veloso, Maria Gadú).

Ouça “Meus Nós”: http://smarturl.it/VictorMusMeusNos

Confira o faixa-a-faixa abaixo

Com uma visão sempre plural do cancioneiro nacional, Victor Mus passeia por ritmos regionais, sem se prender a rótulos, ao longo de quatro faixas. O trabalho abre com a já conhecida “Vapor”, construída como um “folk abrasileirado” para refletir a realidade dos relacionamentos líquidos e voláteis. Sua sintonia com a musicalidade baiana brota em “Que Sorte a Minha”, uma canção solar que busca inspiração no ijexá e samba-reggae em roupagem pop e moderna, com a ajuda do vocal convidado de Illy.

“Coragem” é um dos destaques do álbum, trazendo uma mensagem de enfrentamento do que oprime e amedronta. Sem cair nos clichês das canções motivacionais, a faixa entrega uma visão realista da vida, aceitando os desafios como parte do aprendizado. Tudo isso é embalado por elementos de bumba-meu-boi e maracatu que vão além das alfaias e do gonguê e desembocam no cello.

“Porto Seguro” encerra o ciclo de “Meus Nós” ao fazer uma conexão direta com a primeira música. A temática das relações efêmeras retorna para entregar uma visão mais pop e dançante, embalada tanto por influências de Jorge Ben Jor quanto por uma lírica que joga com as palavras e contradições de força bem-humorada.  A percussão orgânica se encontra com beats eletrônicos, enquanto violão, guitarras e flauta se mesclam a sintetizadores para remeter a influências como o afrobeat e o funk americano. 

Essa nova coleção de canções vem para somar à recente, porém prolífica carreira de Victor Mus. Inicialmente unindo a leve voz rouca com os acordes do violão, suas canções sempre falaram de amor e afeto em forma de poesia. Com mais de 50 apresentações em diversos palcos do Rio de Janeiro, o cantor e compositor se destacou com baladas como “Preguiça” e “Castelo”, presentes no EP “Chão de Terra” (2017). Desde então, vieram participações em festivais como Os Sons do Rio (Deezer/Secretaria de Cultura do Estado) e em coletâneas como “Garimpo”, realizada pelo portal Brasileiríssimos. 

Em 2019, Mus revelou o primeiro passo de sua nova fase na carreira com o single e clipe “Vapor”. Ele foi um dos 12 selecionados pela FIRJAN no edital Novos Talentos da Música, se unindo a nomes como Facção Caipira, Pedro Mann e Isadora Melo. Victor se destacou ainda na Maratona Competitiva da mostra, que premiou também Pietá e Ilessi/Thiago Amud. 

Assista a “Vapor”: https://youtu.be/UqslNrmaj0E

“Esse EP é um projeto que vem para coroar toda a correria feita até hoje, como a gente se aplicou em desenvolver o trabalho de forma independente nos últimos anos. Ainda estamos na correria, mas evoluímos muito, principalmente do EP ‘Chão de Terra’ pra cá. É, de fato, um prêmio. Não só um prêmio para nós, mas também para o público, que votou em mim e mostrou que queria ver mais sendo feito. Isso me torna ainda mais grato”, reflete Victor Mus.

Ele construiu todo o conceito de “Meus Nós” ao lado de Rogério da Costa Jr., que assina os arranjos e a produção musical, junto a Rodrigo Vidal; e de João Suprani, diretor artístico à frente da produtora Rebuliço. Não por acaso, o título reflete essa coletividade, mas também a pluralidade artística do próprio Victor, que explora novas cores e ritmos nesse trabalho. Partindo de uma perspectiva pessoal, as canções resultam em relatos universais sobre questões que nos unem enquanto humanos. A simbologia do nó ajuda a amarrar essa ideia, se utilizando da dualidade de sentidos: se por um lado representa um obstáculo a ser vencido, por outro remete ao que importa ou ao que une duas pontas distintas e as sustenta juntas. 

“Acho que esse álbum vai mostrar do que a gente é capaz. Apesar de falar muito sobre as relações humanas, tem uma diversidade grande de prismas, de olhares, sobre um mesmo tema. Tem também uma diversidade de formas, de lírica, de como falar, do quê falar, de onde falar. Tem uma diversidade de referências, de cores, de instrumentos, de texturas e de tudo mais que colocamos ali, diferentes espaços musicais e tudo conversando tão bonito. Acho que esse EP é um grande caldeirão de ideias e emoções, uma congruência de caminhos também. É a desembocadura de um rio. Muitas coisas foram feitas até chegarmos nesse momento”, comemora.

“Meus Nós” celebra uma identidade mais diversa de Victor Mus, sem perder contato com as raízes de sua música. Usando uma linha lírica metafórica para costurar uma gama de sonoridades, o artista se coloca como um multiplicador de referências regionais em um cenário moderno e de linguagem pop. 

Ouça “Meus Nós”: http://smarturl.it/VictorMusMeusNos

Deixe uma resposta