O “não que virou sim” do rapper Yannick Hara em seu novo vídeo clipe “Ressurreição”.

Música conta com a participação dos gêmeos Raony e Keops da renomada banda de rock nacional Medulla.

Yannick Hara gravou mais uma obra áudio visual minimalista. O vídeo faz parte do EP Também Conhecido Como Afro Samurai (2016) e é o último desta saga. Com este foram lançados 8 vídeo clipes.

Desta vez, a canção é a faixa “Ressurreição” que relata um momento vivido pelo personagem Afro quando ele finalmente se vinga pela morte do pai. Perdido, Afro se isola e não encontra mais sentido na vida, porém um novo sopro, um novo desafio o reanima.

Além da narrativa do Afro Samurai é possível notar uma grande analogia com a vida do rapper Yannick. Em muitas entrevistas o artista revelou o quão difícil foi realizar essa obra, no caso, o disco. Yannick sofreu muito preconceito de pessoas dentro da cena do rap nacional, porém teve êxito em manter a sua identidade e quebrou paradigmas dentro do cenário. É como ele mesmo diz na canção “É o não que virou sim”. Gravado em estúdio, o vídeo apresenta a participação dos gêmeos RaonyeKeops da banda de rock nacional Medulla. O trabalho é inspirado no anime Afro Samurai – Resurrection (2009), cujo o enredo

narra a saga de um samurai negro chamado Afro que após se vingar da morte do pai, busca um novo sentido para viver.

No dia 12 de janeiro, no próximo sábado, no Sesc Osasco, Yannick realiza mais uma grande apresentação e performance do EP Também Conhecido Como Afro Samurai, a entrada é franca. Imperdível.

Assista ao clipe:

Conheça o rapper Yannick Hara

O artista vem crescendo e conquistando respeito do público e da crítica

Nascido e criado no centro de São Paulo, Yannick é um rapper independente que não segue os padrões tradicionais do gênero. Enquanto a maioria dos MCs falam do dia a dia nas periferias, críticas ao sistema ou – até mesmo – sobre amor, festas e luxo, Yannick busca inspiração em mangás, animes e a cultura geek para escrever suas letras.

Pouco a pouco, o artista vem crescendo e conquistando respeito do público e da crítica. Em 2016, por exemplo, foi indicado ao Prêmio Pindorama na categoria “Aposta”.

Com o EP Também Conhecido Como Afro Samurai realizou mais de 40 apresentações, incluindo shows em Guarulhos, Sorocaba, Cuiabá (MT), São Paulo, Mauá, Embu das Artes, São José do Rio Preto e Barueri.

O show em Guarulhos, na grande São Paulo, foi destaque na Revista Ser Mais Online, Guarulhos Hoje, Black Pipe e mais. Quando se apresentou no interior de São Paulo, o rapper foi destaque nos principais jornais da cidade de Sorocaba e região como Portal G1, Sorocaba Fácil, Cruzeiro do Sul e Gazeta do Votorantim.

Em Cuiabá, o artista se apresentou no Festival Chacrona. A apresentação foi notícia nos jornais Mato Grosso Mais, Cuiabá Hoje e News Cuiabá.

Na cidade de São Paulo foram mais de 20 apresentações, sempre com destaque na mídia. No Festival Dia da Música, realizado no mês de junho de 2017, por exemplo, Yannick foi destaque no Guia da Folha de S. Paulo, Portal G1, Catraca Livre, TV Brasil, entre outros. Com o conceito geek, Yannick mostrou seu trabalho no Heromix em Mauá. A performance foi divulgada no Calendário Geek, Jornal Opinião Pública,

Mauá Virtual e Mauá News. Na Anime Fair Embu, em Embu das Artes, o artista foi notícia no Jornal da Net e Folha de Embu.

A apresentação em São José do Rio Preto foi capa no jornal Diário da Região, além do Portal G1, Jornal A Voz do Povo, Kboing (Terra), Guitar Talks e outros. Em Barueri, foi destaque nos veículos Visão Oeste, Jornal de Barueri e Correio Paulista.

O EP “Também Conhecido Como Afro Samurai” ganhou um resenha no blog Collectors Room de Florianópolis (SC), além de destaque no site Nação da Música, Rap Nacional Download (RND), O Estado de S. Paulo, Jornal Estação, A Crítica (AM), Cultura Alternativa (DF), programa Gente Que Fala (Rádio Trianon), Tribo Urbana (Rádio Conectados), Esquina da Cultura (BCC TV), programa Mosaico (Rádio EBC) e muito mais.

Concedeu entrevista para o MonkeyBuzz, Revista Arte Brasileira, The Trend Killers, para o canal Yo Ban Boo , Programa Raça na TV e Acesso Cultural.

A pedido do Jornal Metro SP, o rapper resenhou a edição “Hip Hop Genealogia” que revê primórdios do gênero. Foi matéria também da Revista Raça.

Fez uma apresentação no Estúdio Showlivre, um dos principais palcos da música independente brasileira. E participou do programa Manos e Minas (TV Cultura).

Em dezembro de 2017, cantou a faixa “Luto por Você” no programa do Ratinho (SBT) no quadro Dez ou Mil.

O clipe “Também Conhecido Como Afro Samurai” foi transmitido no Hip Hop em Cena (TV Brasil – GO). O clipe “Luto por você” quando lançado, foi vinculado também na TV Brasil de São Paulo através do Programa Fique Ligado.

Lançou o clipe de “A Maldição da Bandana”, com exclusividade pela Billboard Brasil e, posteriormente, o material foi destaque no E.T.C – É Tudo Cultura e É Pop na Web.

O curta “Afro vs Justice” foi exibido em parceria com o Omelete e ganhou destaque no Vagalume, Revista Raça, Jornal do Rap, Zupi, Canal Musical etc. Concedeu entrevista para o R7 e, também, lançou os clipes Luto Por Você e Também Conhecido Como Afro Samurai REMIX pelo Portal.

Ainda no ano passado, Yannick participou da coletânea “O Mundo Ainda Não Está Pronto – Um Tributo ao Pato Fu”, projeto que reuniu vários artistas de vários gêneros para homenagear os 25 anos da banda mineira. Yannick, junto com Camila Brumatti, fez a faixa “Eu Ando Tendo Sorte”. A faixa ganhou um videoclipe que foi destaque no programa Fique Ligado (TV Brasil), Scream and Yell, Sopa Cultural, Guitar Talks, Flertaí, entre outros veículos.

Em 2018, o artista foi matéria da Revista Raça na edição (199) de março, destaque no programa Programa Olhar TVT na Rede TVT dissecando de forma esplendida o seu disco de estreia, além de se apresentar em locais como, o Festival Manifeste em São Paulo e em Guarulhos, a Batalha do Grajaú Rap City no bairro do Grajaú na Zona Sul, Espaço Cultural Ocupação São João no mês do Hip Hop – Região Central e também na Unidade Santana no Sesc.

Em setembro Yannick comemorou 2 anos do EP Também Conhecido Como Afro Samurai lançando o seu sexto vídeo clipe, a canção Jinno e celebrou essa conquista se apresentando pela primeira vez no evento de tecnologia e música a Hack Town 2018 e no Teatro da Rotina.

Tem os clipes “Vingança” e “Também Conhecido Como Afro Samurai” na grade da programação dos programas .BR (Woohoo) e Hip Hop Brasil (Music Box Brazil).

Recentemente, o rapper se apresentou no Programa SDG+ (Sônica de Garagem) do Canal Metô, realizado pelos alunos do curso de Rádio e TV da Universidade Metodista. A canção performada foi a faixa “Jinno” e “A Maldição da Bandana”.

Em janeiro de 2019, Yannick encerra o ciclo áudio visual do EP Também Conhecido como Afro Samurai lançando o último vídeo clipe do disco, a faixa “Ressurreição” com a participação especial de Raony e Keops do Medulla, além de uma apresentação no Sesc Osasco.

Ainda em 2019, o rapper lançará o seu segundo EP intitulado “O Caçador de Androides” baseado no livro “Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas” que originou o filme “Blade Runner”(1982) do diretor Ridley Scott. A narrativa sonora do disco traz o Trap, Cloud Rap, DubStep, Synthwave e Vaporwave e conta com as participações de Clemente dos Inocentes e Plebe Rude, Rodrigo do Dead Fish, Raony e Keops do Medulla, Rike do NDK, Moah da banda Lumiére e da cantora Sara Não Tem Nome. A data de lançamento deste disco está marcada para o dia 19 de novembro.

YANNICK

Instagram

Facebook

YouTube

Spotify

Atendimento à Imprensa

A+ assessoria (11) 3477.4176 ([email protected]) Thiago Paleari (11) 95432.3176 ([email protected]

Deixe uma resposta